Skip to content

O último poema

junho 13, 2017

fotolia_4265861_XSVou precisar de uma lápide relativamente grande, já que, segundo meus cálculos, meu epitáfio vai ser relativamente grande.

Epitáfios de uma, duas ou três frases quase nada dizem sobre quem era e o que fazia aquele monte de ossos e carne enquanto estava em cima – e não debaixo da terra, misturando-se a ela num longo processo de apodrecimento e transmutação – cósmica?

Claro, se você for cremado, a coisa acontece de outro jeito. No fim dá no mesmo.

Além disso, por minhas previsões, estou quase certo de que serei enterrado – e não incinerado, o que seria até um espetáculo interessante: o monte de carne e ossos se transformando, primeiro, numa fogueira, depois em fumaça e cinzas, que alguém vai guardar em vasos de formatos estranhos ou jogar ao vento de algum lugar, às vezes, também muito estranhos.

Mas essa parte final, quando você vai à cremação de alguém, não deixam você assistir.

Acontece escondido, depois que o caixão some dos olhos da gente.

Estávamos, contudo, falando de epitáfios, do meu, mais precisamente, e não sobre as maneiras de como nos livrar dos corpos quando eles param de funcionar de vez.

Claro, se você morrer numa explosão, por exemplo, esse problema de se livrar do corpo – do seu corpo, no caso – se resolve por si mesmo.

E continuo falando de enterros, velórios e lápides, não do meu epitáfio.

É que lembrei-me agora também daquela técnica de deixar que urubus, corvos e assemelhados façam o serviço, com os corpos sendo suspensos a determinada altura, para facilitar a deglutição dos visitantes.

Ah, e existe ainda o que eu chamo de cremação ¨punk-romântica¨, aquela que os vikings faziam, atirando flechas incendiárias num barco deslizando sobre a água e levando dentro um corpo que não funcionava mais.

Linda cerimônia, sem dúvida.

Mas, com certeza, deve haver uma lei proibindo queimar cadáveres ao ar livre.

Lógico que você não iria preso – pois já estava morto. A bronca, porém, ia acabar sobrando pra seus parentes e os amigos que tivessem aceitado seu convite para estar lá.

Além disso, você teria que encontrar três ou quatro arqueiros capazes de acertar um barco flutuando a uma distância consideravelmente grande da margem, com flechas flamejantes, é claro.

Supondo que esses arqueiros existissem e você conseguisse contatá-los, imagine quanto cobrariam para participar de um troço esquisito desses.

E a cremação “punk-romântica” envolveria também outra complicação séria.cemiterio-572x345

Você teria que organizar e pagar tudo com antecedência, correndo dois grandes riscos: talvez você morresse antes de terminar de organizar e quitar a coisa toda ou talvez você continuasse vivo por muito tempo, tempo em que você se amaldiçoaria por ter gasto toda aquela grana em seu próprio funeral e agora estar duro pra caralho por ter pago um troço que só vai acontecer lá na frente – e que você não vai poder nem assistir, por motivos óbvios.

Vamos, porém, deixar de lado essa coisa de enterros e flechas incendiárias para nos concentrarmos no epitáfio.

Repetindo, a lápide, além de grande, talvez precise ser usada em ambas as faces, quer dizer, o texto começará na frente e se estenderá até o lado de trás. Isso exigirá a colocação de um pequeno aviso, de preferência escrito com fontes diferentes, ao final da parte da frente do texto, dizendo: “continua do outro lado.”

Não é muito estético, concordo, mas talvez não exista outro jeito.

Devia ter avisado lá em cima, mas acho que agora já está claro que eu mesmo escreverei meu epitáfio.

Metade dele já está praticamente pronto – na minha cabeça. Eu repito esse trecho inicial de duas a três vezes ao dia, em voz alta. Troco uma palavra aqui, outra ali. Tiro uma vírgula, coloco um ponto, mas basicamente o texto não muda.

Ocorre que, de uns tempos para cá, cada vez que eu recito o texto, na minha cabeça o tamanho da lápide vai aumentando, aumentando…

O negócio passou a ser físico, quer dizer, minha cabeça começa a latejar, latejar, até que eu me calo, pela certeza absoluta de que, se prosseguir, minha cabeça irá literalmente explodir, espalhando pedaços do meu cérebro pelo chão.

Eu continuo a repetir essa parte inicial do epitáfio todos os dias, duas, três, quatro vezes, mas o processo está se tornando cada vez  mais doloroso. Agora já sinto a lápide aumentando na cabeça assim que pronuncio as primeiras palavras.

E o grande problema é que ainda há muita coisa a dizer. Começo a duvidar que consiga levar isso adiante, se a lápide continuar aumentando na minha cabeça, ameaçando explodi-la.

Então, por mais que isso me contrarie, vejo-me obrigado a pensar na possibilidade de mudar de rumo.

Quem sabe um poema, relativamente curto, não consiga expressar tudo o que gostaria que estivesse escrito sobre mim em meu túmulo?

Estou quase certo de que, se procurasse com cuidado, encontraria algum poema já escrito que dissesse tudo o que queria sobre minha vida.

Essa busca, contudo, poderia ser muito longa. É possível que eu levasse anos para encontrar um poema que me definisse exatamente – para os que ainda estariam vivos e para aqueles que iriam nascer.

Sinceramente, eu não estava disposto a ter essa missão como objetivo central na parte final da minha vida.

Isso me parecia uma grande perda de tempo: procurar por um poema enquanto minha vida acabava dia após dia.

Então, a saída seria eu mesmo escrever o poema.

Mas o que eu diria nele sobre mim?

Cheguei a um impasse que vem bloqueando qualquer tentativa de seguir adiante.

Vai daí, surgiu a ideia de que talvez vocês possam me ajudar nessa tarefa de compor o tal poema.

Então, espero que vocês compreendam e me ajudem.

Aos que se interessarem, peço que, por favor, sejam rápidos, pois, já que não pretendo cometer suicídio, não posso prever quando vou precisar desse poema pronto para ser gravado na minha lápide.

Obrigado pela atenção. E até a próxima.

gotico

 

 

 

 

 

 

É UMA MERDA ISSO, NÉ?

outubro 13, 2014

Bebês-Conversando

– Cara, esquece. Ando mais perturbado que o normal.

– Diz aí. Não custa nada.

– Então lá vai. É que eu estava pensando. Às vezes a solução não está aqui, mas pode estar em algum outro lugar.

– Profundo demais pra mim.

– Não, não é profundo. É bem raso, simples. Estou falando de coisas simples. Quando disse “solução”, usei a palavra errada. Na verdade, queria dizer alívio, e alívio momentâneo. Não tipo uma epifania, um despertar espiritual, essas coisas.  Aliviozinho momentâneo, PA PUM, até chegar a outra carga.

– Por nada não, mas ficou ainda mais complicado de entender.

– Vou citar um exemplo. Estava lá batucando no violão pra ver se eu relaxava. Batuquei, batuquei, batuquei, batuquei por um bom tempo. Às vezes até relaxava um pouco, mas logo ficava tenso de novo. Então levantei e lembrei que as galinhas estavam sem água e a tarde estava muito quente.  Fui lá fora e enchi as vasilhas, também joguei um pouco de milho. De repente senti que tinha relaxado. Então é isso. O alívio que eu procurava não estava no violão, mas na água e no milho que eu dei pras galinhas. Foi isso que me relaxou, me deu alívio. Agora já estou ficando tenso e desesperado de novo.  É uma merda isso, né?

– Sem dúvida!

nenem-conversando

ZEN E A ARTE DA MANUTENÇÃO DE MOTOCICLETAS

setembro 28, 2014

Capturar

 

 

 

LINK PARA DOWNLOAD DE PDF https://pedropeixotoferreira.files.wordpress.com/2014/03/robert-pirsig-zen-e-a-arte-da-manutenc3a7c3a3o-de-motocicletas.pdf

 

 

Capturar2

AMANHECER

setembro 26, 2014

CONVERSA AO PÉ DA LAREIRA APAGADA

setembro 20, 2014

9471624_T2Lk3

Já reparou que a vida sempre acaba mal? Não tem saída. Eles sempre vencem.

– Eles quem?

– Eles, todos eles que vivem dizendo que não tem jeito, não tem saída, que você, mais cedo ou mais tarde, vai acabar caindo na armadilha. Então não adianta lutar, insistir. É melhor se entregar logo ao que eles chamam de vida.

– E o que você chama de vida?

– Eu não chamo a vida. Eu vivo a vida. Ou pelo menos tento. E às vezes eu acho que até consigo. Pelo menos é o que me parece, às vezes. De qualquer forma, a minha vida não é o que eles chamam de vida. São vidas totalmente diferentes.

– E daí?

– E daí porra nenhuma. Quer dizer, tem tudo a ver.

– Tudo a ver com o quê?

– Ah, sei lá!

IMG_3624

SUJO

setembro 5, 2014

Image1

 EM CASO DE EMERGÊNCIA CLIQUE AQUI! https://soundcloud.com/sr-g-1?utm_source=soundcloud&utm_campaign=share&utm_medium=facebook

amoo-hadji-iraiano-nao-toma-banho-60-anos-13

FREAK SHOW

setembro 3, 2014

download

Freak show, sacou?

Claro que sacou.

Nada de novo.

Rola faz tempo

Às vezes tão freak que nem os

freaks percebem.

Acham que tudo ficou careta,

demais

Que nada.

Tudo sempre foi freak.

Freak show!

Sempre…

E demais

 

Presta atenção!

images