Skip to content

ONDE ANDARÁ ANA MARLOW?

julho 5, 2007

Onde andará Ana Marlow?

ptferreira.jpg

Estava lá, pichado na parede do velho armazém de café abandonado: “Eu te amo, Ana Marlow”.

Quem seria Ana Marlow, e quem estaria apaixonado por ela?

Será que Ana Marlow ainda estava viva? E quem pichou aquela frase na parede do armazém abandonado, ainda estaria vivo?

Ou será que Ana Marlow era apenas uma musa imaginária de algum vagabundo louco que vivia por aquelas ruas?

Impossível saber quem era Ana Marlow ou mesmo se ela existia. No entanto, era um nome bonito. “Ana Marlow, a rainha do gueto!”

Ele pensava essas bobagens quando resolveu fazer uma coisa que não fazia há muitos anos: sentar numa praça. E aquela era a principal praça da área central da cidade.

Como era hora do almoço, havia bastante gente circulando pela praça, a maioria, com certeza, pessoas que trabalhavam por ali.

Então ele começou a refletir sobre a função das praças nas cidades.

Concluiu que as praças eram lugares onde a gente sentava para não fazer absolutamente nada, ou apenas para ver as pessoas passarem, ou somente para pensar,h0105b.jpg como ele estava fazendo naquele momento.

Mas as praças também eram locais onde a gente ia para encontrar outras pessoas.

E em outros tempos, ele lembrou, as praças também serviam para as pessoas realizarem manifestações, a favor ou contra determinadas coisas.

praca4.jpgPercebeu, então, que as praças, principalmente nas cidades maiores, estavam perdendo sua função, já que poucas pessoas as utilizavam para sentar e não fazer absolutamente nada, nem para ver as pessoas passarem, nem para pensar, nem para encontrar as outras pessoas, nem para se manifestarem a favor ou contra alguma coisa.

As praças estavam se transformando em simples locais de passagem ou em lugares onde se dava um tempo até a hora de voltar para o emprego, como acontecia naquela praça, onde ele agora estava sentado.

Mas que diabo queria dizer aquilo?

“Compreenda a influência do humano em tudo”.

A frase estava estampada na camiseta de um rapaz que passava pela praça acompanhado de uma garota. Nunca tinha visto nenhuma camiseta com aquilo escrito. Aliás, nunca tinha visto aquilo escrito em nenhum lugar.

“Compreenda a influência do humano em tudo”.

Se fosse a influência do divino, seria fácil de entender. A camiseta estaria quem sabe divulgando algum movimento religioso ou coisa parecida. Mas a influência do humano?

Quem estaria exaltando – ou criticando, o que também era possível – a influência do humano em tudo?

Saber essa resposta não era, com certeza, a preocupação do funkeiro que passava logo a seguir por ali, ouvindo um1xcm_klx6aaqc_ofkjjdpe4euechlzygnmedium.jpg “proibidão” no seu celular.

O cara deu uma sentada num dos bancos, esperou o “proibidão” terminar, fechou o celular e saiu andando.

Doido por doido, ele se identificava mais com o sujeito que arrastava um saco de lixo preto de um lado pra outro da praça, reclamando em voz alta não se sabia do que nem pra quem.

doido1.jpgReparou, então, que apenas os doidos – e sempre havia vários deles nas praças – ainda davam a devida importância às praças das cidades, já que, em geral, faziam delas seus territórios de resistência e sobrevivência.

Se continuasse a elaborar teorias como aquela – e principalmente se começasse a acreditar nelas -, em breve acabaria transformando uma das praças da cidade no seu território de resistência e sobrevivência.

Portanto, resolveu levantar-se e continuar caminhando.

Já tinha refletido bastante sobre praças, vagabundos e loucos.

Era hora de cuidar da vida e isso significava ir a uma farmácia comprar os medicamentos que nos últimos tempos era obrigado a ingerir diariamente.

Estava fazendo seu pedido ao balconista da farmácia quando percebeu um vulto se aproximando à direita.

O homem insistia em que ele lhe desse um trocado. Ele disse que não tinha.

O homem continuou insistindo.

Ele, irritado com o assédio, repetiu em voz alta que não tinha trocado, “porra!”.farmacia-peq.jpg

O homem finalmente se afastou.

Ele continuou pedindo os remédios, depois foi até o caixa e pagou.

Diabos, por que não dera um trocado ao sujeito?

Ele não tinha trocado mesmo, justificou-se.

Mas ele sabia que não era isso.

Ele sabia que não dera um trocado ao homem porque sempre se sentia acuado com aquele tipo de situação e sempre reagia de forma agressiva.

Saiu da farmácia e foi até a padaria da esquina tomar um café, ainda ruminando a sua atitude diante do pedinte da farmácia.

foto1sucesso.jpgEnquanto tomava o café, percebeu o homem da farmácia se aproximando do caixa e depois do balcão.

“Uma pinga, já está paga”, disse ele ao copa, que rapidamente o serviu.

O homem entornou rapidamente o álcool na garganta, virou as costas e saiu da padaria.

O homem finalmente havia arrumado um trocado.

Ele acabou seu café e foi embora.

Em geral, pensou ele, as pessoas ficariam satisfeitas de terem negado uma esmola que se transformaria em cachaça no balcão mais próximo.

Ele, porém, continuava se culpando por não ter dado o trocado ao homem que o abordara na farmácia.

Ele sabia que aquele homem precisava desesperadamente matar a sua sede.

Contudo – e apesar de tudo -, ele tinha de continuar caminhando.

Então, quando se dirigia à livraria, cruzou com um colega dos tempos de faculdade, que fingiu não conhecê-lo.

Normalmente, ele agradeceria por aquilo, já que ele próprio vivia evitando cumprimentar pessoas com as quais não ia muito com a cara nas ruas.

No entanto, não sabia bem por que, naquele momento a atitude do ex-colega de faculdade o irritou, fazendo-o murmurar baixinho entre os dentes para o sujeito que passava: “Babaca de merda!”

Depois, lembrando dos ensinamentos da sua mãe e das reflexões do seu terapeuta, questionou-se se, por acaso, sua hostilidade contra o ex-colega de faculdade não era motivada pelo fato do sujeito ter se dado bem melhor na vida do que ele, no quesito dinheiro.

Mas logo chegou à conclusão de que não gostava de playboys, fossem eles ricos, pobres ou marcianos.

Aí perguntou a si mesmo: “E o que diabo vem a ser um playboy?”.

“Ora, você sabe muito bem do que estou falando”, respondeu, dando-se por satisfeito com a própria resposta.

Entrou na livraria e se tocou de que não fazia a mínlivraria.jpgima idéia do motivo que o levara até ali.

Ficou por um tempo observando os livros nas prateleiras e, de repente, chegou à conclusão de que definitivamente não gostaria de livrarias.
Então se perguntou por que diabos vivia entrando em livrarias e por que insistia em escrever livros. Afinal, onde ele imaginava que talvez seus livros um dia talvez pudessem ser vistos e comprados a não ser em livrarias?

Dessa vez não tinha nenhuma resposta satisfatória para suas próprias perguntas. Por isso continuou andando, agora em direção à praia.

Sentou-se num dos bancos próximos à areia, ajustou os fones do mp3 e ficou olhando o mar no meio da tarde de sol.

Sentiu-se um idiota ali, sentado naquela praia, naquele meio de tarde, com uma seqüência de músicas antigas dos Rolling Stones entrando, uma após outra, pelos buracos dos seus ouvidos.

Aos poucos, porém, começou a se sentir bem, muito bem mesmo.

Estava no local certo, na hora certa, fazendo a coisa certa.

Então, pensou: “Onde andará Ana Marlow?”

praia.jpg

No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: